icon-arrow

Cadastro finalizado com sucesso.

Sua farmácia já está cadastrada e aguarda aprovação da administração da ABRAFARMA para ser publicada.

Cadastro finalizado com sucesso.

Seu cadastro está finalizado com aprovação da administração da ABRAFARMA.

Cadastro EAD finalizado com sucesso.

Seu cadastro nos cursos livres está finalizado com aprovação da administração da Abrafarma.

Cadastro associado finalizado com sucesso.

Seu cadastro de associado está finalizado e aguarda aprovação da coordenação farmacêutica da sua empresa.

Disfagia: quais os principais riscos e sintomas?

Scritta postou dia 02/04/2018 (atualizado 2 de Abril de 2018)


Você já ouviu falar sobre a disfagia? Para grande parte da população, esse nome pode soar estranho, mas é um problema que atinge muitas pessoas. A disfagia é um sintoma de alguma alteração clínica que traz como consequência a mudança do padrão normal da deglutição – ou seja, o indivíduo passa a ter dificuldade para engolir alimentos, líquidos e saliva, em qualquer etapa do trajeto entre a boca e o estômago.

As principais complicações que podem ser ocasionadas pela disfagia são o aumento das chances de pneumonia aspirativa; a ampliação do tempo de internações, devido à desnutrição e à desidratação; o desinteresse por alimentos; a debilitação da saúde de modo geral; e a perda da qualidade de vida.

Mas quem está mais suscetível a ter a disfagia? Entre os adultos, quem possui doenças neurológicas (AVC, Esclerose Lateral Amiotrófica, Parkinson, Esclerose Múltipla e demências), traumatismos crânioencefálicos e alterações mecânicas (câncer de cabeça e pescoço, queimaduras, refluxo gastroesofágico, doenças cardíacas) estão mais propensos.

Já, entre os bebês, o risco é maior para os prematuros, os que têm má formação do sistema digestivo, fissura labiopalatina, doenças neurológicas ou algumas síndromes como a de Down. No caso dos idosos, as chances de disfagia são ainda maiores, uma vez que algumas mudanças geradas pelo envelhecimento – como a perda de força muscular, a redução da velocidade ao mastigar, a precisão e coordenação dos movimentos – podem provocar a dificuldade para deglutir.

É importante esclarecer também quais são os sintomas: falta de ar durante ou após a alimentação; perda de peso; pneumonias de repetição; dificuldade para mastigar, preparar e manter o alimento na boca; tempo prolongado para engolir; sensação de alimento parado na garganta; dor ao engolir; restos de comida dentro da boca após engolir; escape de alimento pelo nariz; mudança na voz após engolir; tosse ou pigarro constante durante a alimentação; engasgos frequentes durante as refeições ou ao deglutir saliva; falta de interesse em se alimentar; e mudança na cor da pele durante ou após a alimentação.

Algumas dicas são importantes durante as refeições, principalmente para quem já apresenta dificuldades: alimentar-se sempre sentado, em ritmo e velocidades seguros; evitar distrações enquanto se alimenta; procurar não conversar enquanto está comendo; manter atenção durante as refeições; evitar assistir à televisão, ouvir rádio ou permanecer em um ambiente barulhento.

*Dra. Sandra Lia Petit Marchi é coordenadora do Serviço de Fonoaudiologia do HSANP, centro hospitalar localizado na Zona Norte de São Paulo